Endereço: Av. Tijucussu, São Caetano/SP 

© 2018 por Instituto Brasileiro de Expedições Sociais/ Projeto Canudos. Todos os direitos reservados.

A Canudos, velha em mim

Em Canudos me sinto viva, perdi a noção do tempo, me sentia parte daquele lugar e parecia que estava ali há anos, me sentia uma canudense. Vivemos tanta coisa em tão pouco tempo, tudo é intenso lá. Ficamos a flor da pele...

 

Então, cheguei em São Paulo... para ser sincera me sinto um peixe fora d água, não me sinto mais em casa e tenho cada vez mais a sensação de que minha casa ficou em Canudos Velho com a minha mainha Zefinha. 

 

Basta isso para se formar um nó na garganta. E ali estavam todas aquelas pessoas que ansiavam minha chegada, me bombardeando de perguntas e agora são dois nós na garganta. 

 

As palavras custam a sair.

 

Respiro fundo. 

 

Revivo cada segundo que estive naquele sertão...

 

A saudade é incontrolável, um sol majestoso, o céu mais estrelado que já vi, o vento que cantava em meus ouvidos, aquela terra vermelha e aquelas pessoas. Ahhhh, aquelas pessoas... <3

 

Quando olho em volta percebo que estão fascinados com cada palavra que sai da minha boca e a realidade estampa, bem ali na minha frente, que eu voltei. As lágrimas escorrem pelo rosto, mais uma vez, estes daqui também precisam de mim, mas a vontade, o desejo, era de estar em Canudos.

 

E aí, quando penso em Canudos a primeira palavra que vem a minha cabeça é AMOR. Deixei amor lá, fiz por amor, fiz com amor, mas de todos os amores o mais lindo é o dos canudenses. Trouxe um pedacinho de cada um deles comigo, mas a cada quilômetro que me distanciava da Bahia, tinha a certeza que eles ficaram com um pedaço enorme de mim.

 

O choro ainda é inevitável, a cada palavra, espaço,  vírgula e ponto ainda escorre uma lágrima pelo o meu rosto, mas é um choro bom de ser chorado, inexplicável, mas é um choro aconchegante, que talvez me aproxima de Canudos.

 

Canudos me traz, também, muitos sorrisos, os mais puros e valiosos que já vi. Traz muitas histórias, por vezes tristezas, mas também muitas felicidades, resistência de um povo alegre e guerreiro, traz muitos saberes e ensinamentos e deixa muita, muita saudade.

 

Chegou a hora de deixar todas aquelas pessoas queridas na sala de estar e ir para aquele ambiente que não parceria mais ser meu: o "meu" quarto. Hora de desfazer as malas e aí você não quer desfazê- las, porque aí sim acabará de uma vez por todas...

 

Não, não acabará, Canudos está viva em meu coração eu tenho um pedacinho dela e ela tem um pedação de mim. 

 

"Aí, Canudos, a saudade é de matar  

A,í Canudos, quem me dera tu voltar

Sinto saudade em meu peito que não posso explicar

Quando lembro de Canudos dá vontade de chorar..."

 

 

 

Share on Facebook
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Procurar por tags
Arquivo