Em busca de sentimentos e explicações

15.07.2015

Já estou em casa, em São Paulo e ainda não sei me desligar daquele lugar, digerir cada acontecimento daqueles 15 dias agora me parece uma difícil e demorada missão. Não sei se a ficha de que eu estive realmente lá vivendo tudo isso ainda não caiu ou se a ficha de que eu já voltei para minha casa que não caiu, não sei qual saudade era/é maior. 

Cada ser humano que vive naquela terra de Canudos é único, e conhecê-los não poderia ter sido mais bonito. Dar "bom dia, mainha", "bom dia, painho" agora são frases que eu sinto saudade de dizer e que está a cada dia maior no peito. Lidar com esse turbilhão de pensamentos e sentimentos que foram criados lá é novo e complicado. 

A experiência é inexplicável, cada pessoa que me pergunta "como foi a viagem, o que aconteceu lá?" não recebe resposta nenhuma, além de uma cara de "não sei"; parece besteira, mas digerir tudo que eu vivi, vi e participei em Canudos é imensamente difícil, e essa dificuldade de explicar tudo, me faz ver o quão lindo, pessoal e único foram os acontecimentos naquele lugar. 

Queria voltar pra dar mais mil "bom dia" pros meus painhos, mais mil abraços naquelas crianças e mais mil risadas com o grupo que viajou comigo, mas enquanto isso não acontece, eu continuo pensando e repensando em cada momento que eu tive a honra de viver naquela cidade e, pode até soar meio clichê, mas, uma parte de mim ainda ta lá; espero que eu ainda volte pra buscar essa parte, ou quem sabe, deixar mais uma.

Obrigada à Metodista pela oportunidade, aos coordenadores pelas broncas e conselhos e a cada morador de Canudos que me fez ter uma visão da vida um pouquinho diferente.

 

 

Share on Facebook
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Procurar por tags
Arquivo
Please reload

Endereço: Av. Tijucussu, São Caetano/SP 

© 2018 por Instituto Brasileiro de Expedições Sociais/ Projeto Canudos. Todos os direitos reservados.